• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Atanásio de Alexandria, defensor da fé

Escrito por  Hélio

Atanásio de Alexandria

Atanásio, um dos maiores pais da Igreja primitiva, nasceu em Alexandria por volta do ano de 295 d.C., provavelmente de pais não cristãos e de língua grega, o que lhe deu ao menos a possibilidade de crescer e aprender as primeiras letras longe da última perseguição que assolou os cristãos egípcios entre os anos 303 e 312, embora aparentemente aquilo tivesse afetado de alguma forma a sua infância e adolescência. Após uma vida à qual nunca faltaram emoções e reviravoltas profundas, veio a falecer na sua mesma Alexandria no dia 2 de maio de 373.

Teria vivido, portanto, quase 80 anos, o que era uma expectativa de vida muito acima da média da época. Viveu intensamente e deixou um legado dos mais valiosos para a consolidação do cristianismo no Império Romano. Quanto à sua infância, entretanto, Gregório Nazianzeno, em sua Oratio (21,6), diz que “ele foi educado, desde o começo, nos hábitos e nas práticas religiosas, após um breve estudo de literatura e filosofia, de maneira que ele não podia ser considerado como incapacitado para esses assuntos, ou ignorante em matérias as quais ele estava determinado em desprezá-las. Pois a sua alma generosa e solícita não podia ficar ocupada com vaidades, como atletas despreparados, que socam o ar ao invés dos seus adversários e perdem o prêmio. Através da meditação em cada um dos livros do Velho e do Novo Testamento, com uma profundidade que até então ninguém tinha aplicado a um só deles, ele cresceu rico em contemplação e em esplendor de vida, combinando-os de maneira marvilhosa num laço dourado que poucos conseguem alcançar; usando a vida como uma guia de contemplação, e a contemplação como o selo da vida.”1 Ainda que pouco se saiba desse período, aparentemente Atanásio teve algum tipo de influência cristã na sua formação. A sua produção literária na fase adulta indica que é muito provável que ele tenha tido algum tipo de treinamento filosófico, especialmente em Homero, Demóstenes, Platão, bem como outros platônicos posteriores, o que mostra a importância que deu à cultura grega. Entretanto, parecia também ser versado pelo menos na língua copta falada pelo povo egípcio da época, o que lhe despertou o interesse inclusive para escrever, posteriormente, “Vida e Conduta de Santo Antão”, sobre o padre eremita do deserto que marcou tanto o início da igreja cristã no Norte da África. Já na juventude e no início da idade adulta, aprenderá tanto da fonte do bem, representada por Alexandre, bispo de Alexandria (a quem sucederia no patriarcado local), como na fonte do mal, cujo maior símbolo foi Ário e sua heresia que ameaçou as estruturas do cristianismo. Foi contemporâneo, portanto, de homens que estiveram em lados opostos do grande combate que se travou sobre a natureza de Cristo, e – ao tomar o partido da ortodoxia – deixou seu nome gravado para sempre no rol dos heróis da fé. Hubertus R. Drobner tem uma versão curiosa sobre os primeiros passos de Atanásio na fé:

Maior probabilidade pode ser atribuída à “História dos patriarcas de Alexandria”, de Severo Ibn al-Muqaffa (PO I/4, 407s) conservada em árabe. Atanásio, assim relata esta história, seria filho de uma nobre e rica viúva de Alexandria, que, depois de seu filho haver crescido, teria insistido para que contraísse matrimônio, a fim de assumir os bens do pai. Mas como Atanásio não mostrasse para isso a mínima inclinação, sempre de novo ela teria enviado belas jovens ao seu quarto de dormir, para fazê-lo interessar-se pelo casamento e pela vida civil. Mas, quando despertava, Atanásio sempre enxotava as moças. Desesperada, a mãe teria procurado um mago conhecido na cidade, o qual, depois de conversar com Atanásio, teria comunicado à mãe que seus esforços não poderiam obter êxito, porque seu filho se dedicara ao cristianismo, mas que mesmo lá ele haveria de ser um grande homem. Então, para não perder o filho, ela o teria levado ao bispo Alexandre, que os teria batizado a ambos, mãe e filho. Após a morte da mãe Alexandre teria recebido e educado Atanásio como filho, e mais tarde o teria ordenado diácono, tomando-o como seu secretário.2

Seja lendário ou não esse relato, tudo indica que a formação cristã de Atanásio se processou de forma rápida e consistente, já que aos 17 anos de idade o patriarca Alexandre de Alexandria o nomeia para o cargo de leitor da igreja. Em 318, já aos 23 anos de idade, Alexandre o promove a diácono e secretário episcopal, isso numa época em que Ário já estava em uma das igrejas de Alexandria dando vazão a suas ideias polêmicas sobre a divindade de Jesus Cristo. A controvérsia toma tal proporção que Alexandre convoca um sínodo local, ao qual compareceram cerca de 100 prelados da região, que termina por condenar as ideias de Ário, expulsando-o da Igreja em 321. Eusébio de Nicomédia então o recebe e passa a protegê-lo, e a polêmica chega aos ouvidos de Constantino, que – preocupado com a unidade da Igreja que era o cimento do seu império – tenta apaziguar os ânimos, enviando Ósio de Córdoba à região na tentativa de mediar a crise, com uma carta pessoal sua endereçada aos dois principais contendores, em que diz que considerava aquilo “uma inútil disputa entre teólogos”3, mas que não consegue fazê-los chegar a um acordo satisfatório a todas as partes envolvidas. Diante do impasse, não há outra solução senão convocar o concílio ecumênico de Niceia, que se realizaria no ano 325 e no qual estariam representados todos os bispos da cristandade, para se dirimir finalmente a questão. Agendado o concílio, começa então uma verdadeira guerra diplomática (para os padrões da época) dentro da Igreja. O próprio Ósio, entretanto, participaria de um concílio local em Antioquia pouco tempo antes de Niceia, no qual seriam condenados Eusébio de Cesareia e outros partidários de Ário. Este ensinava “uma doutrina que se pode sintetizar nestas Três frases: ‘O Verbo não é eterno nem tem a mesma natureza do Pai. Foi criado no tempo por Deus Pai. Só por metáfora é que lhe chamamos Filho de Deus’. Ário e seus discípulos separam, assim, o filho do Pai. Afirmam que o Filho não existia antes de ter sido gerado. Se houve, portanto, um tempo em que ele não existia, ele não é coeterno ao Pai. Ele, o filho, é a primeira e a mais sublime das criaturas, uma espécie de ‘segundo deus’ (déutero theós) mas é alheio ao Pai quanto à essência, como a vinha ao vinhateiro ou o navio ao construtor”4.

Em sua Oratio (cap.6), Gregório Nazianzeno dá um destaque enorme à figura de Atanásio durante o concílio de Niceia, que se realizou entre os dias 20 de maio e 25 de agosto de 325. Chega a dizer que o diácono teve voz ativa durante as deliberações, o que é difícil de acreditar já que apenas os bispos tinham esse direito. É certo, entretanto, que Atanásio teve muita influência na formulação das ideias de seu bispo Alexandre, que antes da abertura dos trabalhos do concílio, envia uma carta encíclica aos seus pares, fazendo questão de ressaltar a verdadeira dimensão da controvérsia. Nela, há claros sinais da gênese do pensamento de Atanásio, que o acompanharia por todas as muitas polêmicas cristológicas que ainda iria enfrentar durante sua longa vida:

Quem ouviu, alguma vez, semelhantes coisas? Quem, agora que as ouve, não tapará os ouvidos para impedir que essas ignóbeis palavras cheguem até eles? Quem, ouvindo João dizer: “No princípio era o Verbo” (Jo 1,1), não condenará os que dizem “Houve um tempo em que ele não era”? Quem, ainda, ouvindo estas palavras do Evangelho “Filho único de Deus” (Jo 1,18) e “Tudo foi feito por meio dele” (Jo 1,3), não detestará os eu afirmam que o Filho é uma das criaturas? Como pode ele ser igual ao que foi feito por ele? Como pode ser Filho único aquele que elencamos com todas as coisas, na categoria destas? Como viria ele do nada, ao passo que o Pai diz: “De meu seio, antes da aurora, eu te gerei” (Sl 109,3)? Como seria ele, em sua substância, diferente do Pai, ele que é a imagem perfeita e o esplendor do Pai (2 Cor 4,4; Hb 1,3) e que diz: “Quem me vê vê o Pai” (Jo 14,9)? Se o Filho é o Verbo e a Sabedoria do Pai, como teria havido um tempo em que ele não existia? É como se dissessem que houve um tempo em que Deus não tinha Palavra nem Sabedoria. Como está sujeito à transformação e à alteração aquele que diz de si mesmo: “Eu estou no Pai, e o Pai está em mim” (Jo 10,38) e “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30), e que disse pelo profeta: “Vede-me; eu sou e não mudo” (Ml 3,6)? Mesmo que se pense que essa palavra pode ser dita pelo próprio Pai, seria agora, no entanto, mais oportuno, julgá-la dita por Cristo, porque, tornado homem, ele não muda, mas, como diz o Apóstolo, “Jesus Cristo é o mesmo, ontem e hoje e pela eternidade” (Hb 13,8). Quem os leva a dizer que é por nós que ele foi feito, enquanto São Paulo diz: “Para ele e por ele todas as coisas existem” (Hb 2,10)? Quanto à sua afirmação blasfema de que o Filho não conhece perfeitamente o Pai, não seria de causar surpresa, pois, uma vez que eles se decidiram a combater Cristo, desprezam também as palavras do próprio Senhor que diz: “Como o Pai me conhece, eu também conheço o Pai” (Jo 10,15).

(a partir da tradução de I. Ortiz de Urbina, Nicée et Constantinople, 1963, pp. 250-251)5

Não há estatísticas exatas sobre o número de bispos que afluíram a Niceia para o primeiro grande concílio ecumênico da Igreja Cristã. Estima-se entre 250 a pouco mais de 300 o número de participantes com direito a participação ativa e a voto nas deliberações. Silvestre I, bispo de Roma, foi um dos ausentes, mas mandou representantes. Isto se devia basicamente ao fato de que o cristianismo era majoritário no Oriente e ainda minoritário no Ocidente. Atanásio e Ário não eram bispos e, portanto, não podiam participar do conselho, tendo sido esse último representado por seu protetor Eusébio de Nicomédia. No campo contrário, Alexandre de Alexandria se via em posição de fraqueza não tanto pela oposição dos arianos, mas porque poucos bispos sabiam exatamente da gravidade do que iria ser discutido no conclave. Todos, de certa maneira, já estavam preocupados em formular um dogma que, por descuido de palavras, favorecesse os sabelianistas, discípulos de Sabélio (falecido em 215 d.C.) que defendiam uma espécie de unitarismo, em que o Filho e o Espírito Santo seriam “modos” de manifestação de Deus, e não Pessoas co-substanciais com o Pai entre si, daí também ser chamado de “modalismo”. Os sabelianistas, por seu lado, provavelmente perceberam que a posição de Ário era muito mais grave e potencialmente já condenada, e trataram de não fazer alarde sobre suas próprias posições, a fim justamente de que pudessem depois distorcer o resultado do concílio a seu favor, o que por sinal terminou acontecendo. Havia, além disso, a presença do imperador em pessoa, mostrando a todos que era do seu mais profundo interesse uma solução pacífica o menos desagregadora possível. Não se sabe exatamente como é que as sessões de discussão se desenvolveram, mas tudo indica que Eusébio de Nicomédia tenha feito uma exposição inicial dos ensinos dele próprio e de seus “companheiros lucianistas” (um eufemismo para “arianos”) e aí ele foi muito mal ao advogar escancaradamente uma espécie de subordinação do Filho ao Pai, o que escandalizou a maioria dos bispos presentes. Mal a discussão começara e a causa ariana estava perdida por uma razão muito simples de entender: se o Filho não era tão Deus como o Pai, então não houvera sacrifício válido do Salvador, já que qualquer outra criatura poderia ter sido sacrificada no seu lugar, e isto era um pensamento em relação a Jesus extremamente ofensivo para a Igreja cristã. Toda a sua pregação de salvação em Cristo, a prevalecer essa ideia, cairia por terra. Alexandre, sempre assessorado por Atanásio, havia sido muito melhor diplomata que seus oponentes. A solução encontrada após longos debates foi estabelecer o Credo (que leva o nome do concílio) em que ficava claro que Jesus Cristo é “Filho de Deus, gerado do Pai, Unigênito, isto é, da substância do Pai, deus de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não-feito, de uma substância com o Pai, mediante o qual todas as coisas vieram a existir”. Curiosamente a palavra aqui traduzida por “substância” em “da substância do Pai” vem do grego homoousios (“consubstancial”) e foi sugerida pelo próprio Constantino. Quase todos os presentes assinaram o Credo de Niceia, com exceção de Ário e dois bispos líbios (uma das razões pelas quais se imagina que Ário também era líbio), que foram condenados e exilados na Ilíria. Eusébio de Nicomédia e Teógnis de Nicéia, que continuaram no erro após o concílio, depois foram depostos e exilados na Gália. Os livros de Ário foram queimados em razão dos anátemas proferidos na ocasião: “Os anátemas do concílio estendiam-se a todos aqueles que alegavam “que houve um tempo em que ele não existia”; “antes da Sua geração Ele não existia”; “Ele foi feito do nada”; “o Filho de Deus é de outra subsistência ou substância”; e “o Filho de Deus [é] criado ou alterável ou mutável”.”6. Como comenta Louis Berkhof:

Além das partes contendoras, havia um grande partido intermediário, que realmente constituía a maioria, sob a liderança de Eusébio de Cesaréia, o historiador da Igreja, sendo que aquele partido também era conhecido como partido origenístico, pois se fundamentava sobre os princípios de Orígenes. Esse partido tendia em favor de Ário, pois opunha-se à doutrina que o Filho é da mesma substância com o Pai (homoousios). Ele propusera uma declaração, redigida previamente por Eusébio, que concordava em tudo com o partido de Alexandre e Atanásio, com a única exceção da doutrina acima nomeada; e sugeria que a palavra homoousios fosse substituída pelo termo homoiousios, para que ensinasse ser o Filho de substância similar à do Pai. Após considerável debate, finalmente o Imperador lançou o peso de sua autoridade na balança, dando a vitória ao partido de Atanásio. O concílio adotou a seguinte declaração a respeito da questão em pauta: “Cremos em um Deus, o Pai Todo-Poderoso, Criador das coisas visíveis e invisíveis. E em um Senhor Jesus Cristo, gerado, não criado, sendo da mesma substância (homoousios) com o Pai”, etc. Foi uma declaração inequívoca. Não se poderia torcer o vocabulário homoousios para que significasse outra coisa qualquer do que o fato de que a essência do Filho é idêntica à do Pai. Situava o Filho no mesmo nível com o Pai, como um Ser incriado, e reconhecia-o como autotheos7.

Como a redação do Credo de Niceia permitia que, além dos sabelianos, outros grupos como o de Eustáquio de Antioquia e de Marcelo de Ancira (atual Ancara na Turquia) se sentissem autorizados a fazerem interpretações muito particulares de tipos velados de monarquianismo, em que o Filho teria algum grau de subordinação ao Pai. Aos poucos, essas desavenças teóricas foram minando os resultados do Concílio de Niceia, e por volta do ano 328, Eusébio de Nicomédia e Teógnis de Niceia foram autorizados a voltarem do exílio. Eusébio tinha amigos próximos na família imperial, e fazia de tudo para influenciar a visão moderada de Constantino, que gostava muito de botar panos quentes nas controvérsias eclesiásticas e arranjar um meio de acomodar todas as correntes contrárias no seio da Igreja. Os defensores do concílio predominaram por cerca de 5 anos após o seu término, afinal Roma, Alexandria e Antioquia eram presididas por fortes apoiadores de suas conclusões. Os arianos trataram, então, de se movimentarem politicamente e fizeram de tudo para mostrar ao imperador que não eram tão obstinados assim e queriam contemporizar. Existe a suposição, não confirmada, de que tenha havido um segundo sínodo em Niceia no ano 327, com muito menor afluência de bispos, que de alguma maneira teria reabilitado Ário, o que parece não corresponder à verdade dos fatos8. Ário escreveu uma carta ao imperador, dizendo-se pronto a aceitar um compromisso com a ortodoxia, subscrevendo o Credo de Niceia, fazendo com que Constantino fosse paulatinamente cedendo aos seus apelos.

Havia um problema, entretanto. Alexandre, o grande defensor da ortodoxia em Alexandria e no mundo cristão da época, morre em 17 de abril de 328, mas antes de morrer, segundo consta, teria já designado Atanásio como seu sucessor. É importante lembrar que a situação da igreja em Alexandria era explosiva. Além do perigo ariano, havia também melicianos9 que ainda eram influentes na região, e Atanásio, além de jovem para o episcopado, era o inimigo comum deles. O maior inimigo deles até então, Alexandre, havia morrido, e os dois partidos queriam retomar o controle da sede patriarcal egípcia antes que um inimigo ainda mais temido, Atanásio, se assentasse na cadeira de bispo. Os aliados da ortodoxia foram mais rápidos, entretanto, e em 8 de junho consagraram Atanásio como patriarca de Alexandria. Sempre é importante lembrar que, nessa época, o bispo não era nomeado pelo bispo de Roma, como querem fazer crer os católicos romanos, mas eram escolhidos por seus pares da região. Entretanto, a pressa fez com que esse ato se processasse de maneira extremamente informal, e houve quem questionasse a sua validade (é fácil imaginar quem tinha interesse em ver Atanásio bem distante de Alexandria). A discussão chegou até Constantino, que, numa dessas atitudes misteriosas que contrariavam a índole e o pendor então ariano do imperador, confirmou Atanásio como bispo de Alexandria. É impressionante como Constantino, apesar de todas as críticas e teorias da conspiração que o envolvem, sempre tomou decisões corretas (e contrárias ao que pensava naquele preciso momento) quando se tratava de proteger a ortodoxia da fé cristã. Talvez Constantino imaginasse que Atanásio lhe seria grato pela sua concordância com sua consagração, e receberia Ário de braços abertos às portas da sede patriarcal, mas ao novo bispo importava antes agradar e obedecer a Deus que aos homens ({joombible X.51.5:29}Atos 5:29{/joombible}), mesmo que esse homem fosse um imperador romano poderoso como Constantino era. Atanásio se recusou terminantemente a qualquer tipo de reconciliação com Ário, bem como tratou de percorrer toda a sua jurisdição consolidando sua autoridade e pregando contra os arianos e melicianos, bem como procurando afastar suas ovelhas de qualquer possibilidade de contaminação com as heresias que esses grupos pregavam. Esses, por seu lado, trataram de se opor a Atanásio de todas as formas possíveis e imagináveis, tendo os melicianos chegado a nomear um antibispo10, e ambas as correntes heréticas não cansavam de acusá-lo com as mais terríveis calúnias que lhe viessem a cabeça: corrupção, traição e até o assassinato do bispo meliciano Arsênio. Por ironia do destino, antes de qualquer possibilidade de investigação ou julgamento, Atanásio apresentou Arsênio vivo, são e salvo. Talvez não tão salvo assim...

Desnecessário dizer, portanto, que Constantino não via a hora de se livrar de Atanásio, ante a oposição reiterada desse às suas ordens. Sobre essa desavença entre os dois, o historiador Paul Johnson reproduz o trecho de uma carta enviada pelo imperador ao bispo por volta do ano 328: “como você conhece meus desejos, ore para admitir livremente todos que desejarem ingressar na igreja. Caso chegue aos meus ouvidos a notícia de que você impediu alguém de tornar-se membro, imediatamente enviarei um oficial para depô-lo e enviá-lo para o exílio”11. Houve, portanto, um sínodo marcado especialmente para puni-lo na Cesareia no ano 334, mas Atanásio não compareceu. No ano seguinte, o imperador apresentou nova acusação contra o patriarca de Alexandria, dizendo que ele teria ameaçado interromper os abastecimentos de trigo do Egito para Roma, e no sínodo de Tiro (em 335), presidido pelo bispo então eusebiano Flacilo de Antioquia (influenciado pelos dois Eusébios, o de Nicomédia e o de Cesareia), condena Atanásio e Constantino o exila em Trier (em 7 de novembro de 335). Antes, entretanto, em 17 de setembro de 335, o Sínodo de Jerusalém havia resolvido restaurar Ário à comunhão “em presença do imperador Constantino e dos dois Eusébios, depois dele haver apresentado uma profissão de fé satisfatória, e exigiu das igrejas de Alexandria e do Egito que dessem o cisma por encerrado”12. O imperador então determina que Ário reassuma suas funções com outro Alexandre, patriarca de Constantinopla. Este, contrariado, teria orado fortemente pedindo a Deus que Ário morresse antes que isso ocorresse. A reza deve ter sido braba, pois na véspera do dia em que isso aconteceria, já no ano 336, Ário morre em condições misteriosas. Alguns historiadores ainda criaram versões míticas, tentando atribuir sua morte súbita a algum tipo de castigo divino, mas a causa mais provável, dado os costumes daquele tempo, é que ele tenha sido envenenado. Terminava assim a carreira do maior heresiarca que a Igreja primitiva conheceu. Constantino morre em 22 de maio de 337, mas dizem os historiadores que ele teria esperado até os últimos dias de vida para ser batizado, ato que foi realizado no seu leito de morte pelo bispo ariano Eusébio de Nicomédia, em outra dessas muitas ironias do destino que cercam os personagens da controvérsia ariana.

O império romano é dividido então entre os três filhos de Constantino: Constantino II (a quem coube a Europa Ocidental e o norte do atual Marrocos na África), Constâncio II (Ásia Menor, Oriente Médio e Egito) e Constante (Europa Central, Itália e Norte da África até a Líbia). No princípio, Constantino II era tutor de seu irmão menor Constante, e comandava o território que cabia a este último, mas uma vez que Constante atingiu a maioridade, seu irmão mais velho não quis lhe devolver o controle da parte que lhe cabia, pelo que houve uma guerra entre os dois, e Constantino II morre em 340, na batalha de Cervenianum, na Aquileia, ficando Constâncio como imperador também do território que havia sido legado pelo pai ao finado irmão. Tréveris (atual Trier e – curiosamente – cidade natal de Karl Marx), onde Atanásio estava exilado, ficava no nordeste da então Gália (no sudoeste do território hoje pertencente à Alemanha), nos limites entre o Império Romano e os povos germânicos, sob a jurisdição de Constantino II, que permitiu então que o bispo proscrito voltasse para Alexandria, convocando um novo sínodo para Tiro em 338, a fim de confirmar sua decisão e anular a condenação anterior. Os eusebianos provocaram uma rebelião civil em Alexandria , colocando Gregório da Capacócia à força no patriarcado local e Atanásio teve que abandonar a cidade em 18 de março de 339, buscando imediatamente refúgio em Roma, onde o papa Júlio o acolheu e tomou seu partido, buscando restaurá-lo a bispo de Alexandria em 341, mas Constâncio II, imperador do Oriente que tinha jurisdição sobre Alexandria, reuniu um concílio em Antioquia para manter a condenação de Atanásio. Um novo concílio foi realizado em Sérdica nos anos de 342 e 343, buscando apaziguar as posições do Oriente e do Ocidente, sem sucesso. Gregório capadócio não teve vida fácil em Alexandria, já que havia tomado posse do patriarcado com a ajuda da milícia imperial, e sua nomeação era vista como irregular pelos bispos egípcios porque ele havia sido ordenado fora da sede patriarcal, vindo a morrer ali mesmo em 25 de junho de 345. Sob pressão de seu irmão, o co-imperador Constante, Constâncio II se absteve de substitui-lo e, a contragosto, chamou Atanásio de volta. Este resistiu um pouco ainda, mas acabou aceitando e, em 21 de outubro de 346, fez seu retorno triunfal a Alexandria, sendo muito bem recebido por sua antiga igreja.

Começa aí, então, a chamada “década de ouro” de Atanásio, período em que pode se dedicar a seus trabalhos pastorais, literários e intelectuais com toda a genialidade que lhe era característica. Em 348 escreve “Apologia contra os Arianos”, uma obra em três livros em que narra a sua perspectiva sobre a controvérsia ariana. Entre 350 e 351 escreve a “Epístola sobre o Decreto do Concílio de Niceia”, em que faz uma defesa apaixonada do termo homoousios (“consubstancial”, “da mesma substância”) para a relação entre Deus Pai e Deus Filho. A relativa calma é interrompida pela preocupação com o assassinato de seu protetor Constante em 18 de janeiro de 350 e a unificação do império debaixo do comando de seu inimigo Constâncio II no mesmo ano. O novo imperador ainda passou 3 anos preocupado com o usurpador Magnêncio até batê-lo em 353, e a partir daí tratou de uniformizar a visão religiosa do império de acordo com suas tendências arianas. Atanásio foi condenado então em dois concílios ocidentais, em Arles (353) e Milão (355). Diante da resistência alexandrina, ele consegue fugir de uma tentativa de prisão levada a cabo pelo general Siriano na igreja de São Teonas em 8 de fevereiro de 356, e se esconde no deserto, onde conhece os eremitas que por lá vagavam, onde escreve várias cartas e alguns livros em sua defesa, e encontra inspiração para escrever “Vida e Conduta de Santo Antão”, um tratado não só biográfico sobre Antão, mas um registro histórico essencial para se entender o que foi o monaquismo (os “padres do deserto”) no início da Igreja cristã. Entretanto, o historiador Paul Johnson aponta outra razão para Atanásio buscar um relacionamento mais próximo com os padres do deserto: eles “falavam copta, como as massas egípcias, e traduziam em termos familiares, além de popularizar, sob a forma de bordões, as complexas formulações dos especialistas teologais”13. Assim, mesmo no exílio, Atanásio buscava uma forma de comunicar as grandes verdades doutrinárias da fé cristã de maneira que todo o povo sob seus cuidados as entendesse.

Outro capadócio, de nome Jorge (não o santo do dragão) é nomeado bispo de Alexandria em 24 de fevereiro de 357, mas se porta da maneira tão violenta contra os partidários de Atanásio e mesmo os pagãos da cidade que é expulso de lá a 2 de outubro de 358, regressando após 3 anos, mas para sua infelicidade, seu protetor Constâncio II morre alguns dias antes dele reassumir sua sede patriarcal, em 26 de novembro de 361, pelo que foi vítima de nova rebelião popular conjunta de pagãos e cristãos que o encarceram na véspera do Natal daquele ano, mas a multidão revoltada o retira à força da prisão e o linchou, juntamente com dois funcionários da administração imperial, tal era o ódio que ele despertava na população. Sabedor da situação nada favorável aos arianos em Alexandria, o novo imperador Juliano revogou o decreto de exílio de Atanásio no bojo de uma decisão íntima sua que era – na verdade – restaurar o paganismo no Império, e o grande bispo retornou uma vez mais à sua cidade, em 21 de fevereiro de 362. Entretanto, por se envolver em nova disputa contra o ortodoxo Melécio, que era apoiado por Basílio de Cesareia, desta vez em Antioquia, onde Atanásio defendia a nomeação do presbítero também niceno Paulino àquela outra sede patriarcal, isto porque Melécio era apoiado pelo amigo Acácio de Cesareia, que havia sucedido Eusébio naquela igreja e tinha sido um dos perseguidores eusebianos de Atanásio . Esse novo movimento político-religioso de Atanásio – que agora não tinha um substrato ariano - não foi bem recebido por Juliano, que considerava o bispo de Alexandria o seu “maior inimigo”14 e novamente o exilou 8 meses após havê-lo readmitido, em 24 de outubro de 362. Entretanto, nesse curto período, Atanásio convocou um sínodo que representou um golpe mortal nas pretensões arianas, como conta Justo L. González:

A falta de precisão nos termos empregados nessa discussão foi uma das dificuldades que a igreja do século 4º encontrou na tentativa de esclarecer o relacionamento entre o Pai e o Filho. No Ocidente, uma terminologia mais fixa já havia sido alcançada, e o termo “substância” era usado para se referir à divindade única e comum, enquanto que a individualidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo era expressa por meio do termo “pessoas”. O Oriente, por outro lado, não havia a mesma precisão e firmeza na terminologia. Para os teólogos orientais, ousia e hypostais eram sinônimos – e como tais eram usadas nos anátemas acrescentados ao credo niceno – e não havia termo que pudesse traduzir adequadamente “persona” do latim, pois o grego “prosopon” poderia ensejar interpretações sabelianas. Portanto, quando os defensores nicenos falavam de uma única ousia, muitos bispos orientais viam isto como uma tentativa de reintroduzir o sabelianismo. E quando os bispos mais conservadores – neste caso os homoiousianos – falavam de uma dualidade de ousiai, os nicenos pensavam que isto era meramente uma nova forma de arianismo. [...]

Foi nesta conjuntura que Atanásio deu um passo decisivo que levaria finalmente à vitória da fé nicena: em um sínodo reunido em 362 d. C., foi declarado que as diferenças verbais não eram importantes, contanto que o significado fosse o mesmo. Assim, ambas as frases “três hipóstases” e sua contraparte “uma hipóstase” são aceitáveis contanto que a primeira não seja interpretada de tal modo que apoie o triteísmo ou a última de um modo sabeliano. Com esta decisão, o grupo niceno abriu caminho para uma aliança com a maioria conservadora. Começava agora um longo processo de esclarecimento do significado dos vários termos, com vistas a alcançar uma fórmula aceita por todos e a consequente condenação definitiva do arianismo.

A importância do sínodo de Alexandria de 362 d. C. não está limitada a seu espírito conciliador, mas é devida também a sua posição quanto ao Espírito Santo. O arianismo, ao negar a divindade absoluta do Verbo, era levado à mesma conclusão com relação ao Espírito Santo. E os bispos reunidos em Niceia, ao concentrarem sua atenção na divindade do Verbo – que era o ponto crucial da controvérsia – não deram muita importância à questão do Espírito; simplesmente, subscreveram a frase: “e no Espírito Santo”. Portanto, o Concílio de Niceia não discutiu a questão trinitariana como um todo. Durante os anos entre este Concílio e o sínodo alexandrino de 362 d. C., porém, na tentativa de esclarecer e definir os assuntos em debate, muitos teólogos deram mais atenção à questão da divindade do Espírito Santo.15

Exilado de novo, Atanásio então proferiu uma pequena profecia que se tornou famosa: “É somente uma nuvenzinha e passará logo”. De fato, 8 meses depois, em 26 de junho de 363, Juliano é ferido mortalmente numa batalha contra os persas e seu sucessor, Joviano, era fiel aos cânones de Niceia, e determina o retorno de Atanásio a Alexandria. Só que, quando ele já havia regressado à sede patriarcal, Joviano morre desafortunadamente em 17 de fevereiro de 364, vítima do braseiro que estava dentro de seus aposentos fechados, e seu sucessor, Valentiniano, embora neutro em questões eclesiásticas, nomeia o irmão Valente, simpatizante da posição ariana, como imperador do Oriente, pelo que retomou os decretos de Constâncio II, tentando impor a visão herética à população de Alexandria. Desta vez, Atanásio dá um toque de espontaneidade a seu forçado vai-vém alexandrino e se afasta pacificamente de sua diocese em 5 de outubro de 365. O imperador, entretanto, expede um edito em 1º de fevereiro de 366, permitindo-lhe voltar. Atanásio tem agora cerca de 70 anos de idade, e a partir daí não é mais perturbado por ninguém. Em 367, Atanásio mostra a sua importância em outra seara, a formação do cânon do Novo testamento, quando apresenta uma lista dos livros canônicos em suas “Cartas Pascais”. Dirige sua amada sede patriarcal apor mais 7 anos, até que na noite de 2 ou 3 de maio de 373, quando imaginava alguma maneira de auxiliar Basílio de Cesareia (que insistia na unificação da igreja de Antioquia), parte para os braços do Senhor após uma longa, conturbada mas abençoada vida de serviço cristão e fortalecimento dos irmãos na verdadeira fé. Como diz Jacques Liébaert, “se a cristandade foi capaz de superar uma das mais graves provas de sua história, é em boa parte a esse homem intransigente e inflexível, firme na sua crença, a esse bispo antes de tudo preocupado com o bem da Igreja, que ela o deve”16. Sucede-o seu discípulo valioso Dídimo, o Cego, que havia perdido a visão aos 4 anos de idade, mas era dono de uma memória prodigiosa, e que manterá a ortodoxia em Alexandria durante toda sua vida, num período de paz que Atanásio não chegou a experimentar, mas contribuiu decisivamente para que ocorresse.

 


Notas

1. Gregory Nazianzus, Select Orations, Sermons, Letters; Dogmatic Treatises, transcrito inNicene and Post-Nicene Fathers, 2nd Series, ed. P. Schaff and H. Wace, (repr. Grand Rapids MI: Wm. B. Eerdmans, 1955), VII, pp. 270-271

2. Hubertus R. Drobner, “Manual de Patrologia”, Petrópolis: Vozes, 2003, pp. 256-257

3. Giuseppe Alberigo (org.), “História dos Concílios Ecumênicos”. São Paulo: Paulus, 1995, p. 21

4. Introdução a “Santo Atanásio”. Coleção Patrística. São Paulo: Paulus, 2002, p. 11

5. Idem, op. cit., p. 139

6. Walter A. Elwell (org.), “Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã”. São Paulo: Vida Nova, 2009, p. 106

7. Louis Berkhof, “A História das Doutrinas Cristãs”, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p. 80

8. Hubertus R. Drobner, op. cit., p. 219

9. Pedro era o patriarca de Alexandria entre 300 e 311, ano em que foi decapitado pela repressão de Diocleciano. Pedro passou boa parte do seu episcopado preso juntamente com vários outros líderes durante a última perseguição no Egito, que durou de 303 a 312, e Melício de Licópolis aproveitou a ausência do patriarca para rejeitar toda e qualquer reconciliação de cristãos – salvo por rebatismo - que haviam negado a fé diante da tortura e ameaça de morte, bem como tratou de nomear e ordenar novos bispos para as sedes vacantes de cada igreja sob a jurisdição de Alexandria, gerando um cisma na igreja. Num dos intervalos entre um cárcere e outro, Pedro reassumiu sua sede patriarcal e condenou Melício e seus seguidores, que, entretanto, continuaram fortes por algum tempo naquela região.

10. “Os melicianos, que haviam escolhido um antibispo, uniram-se depois com o partido ariano agrupado em torno de Eusébio de Nicomédia e tentaram conseguir a deposição de Atanásio através de processos criminais.” (Hubertus R. Drobner, op. cit., p. 257)

11. Paul Johnson, “História do Cristianismo”. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001, p. 107

12. Hubertus R. Drobner, op. cit., p. 219

13. Paul Johnson, op. cit., p. 115

14. Introdução a “Santo Atanásio”. Coleção Patrística. São Paulo: Paulus, 2002, p. 21

15. Justo L. González, “Uma História do Pensamento Cristão”. São Paulo: Cultura Cristã, 2004. Vol. I, pp. 275-276

16. Jacques Liébaert, “Os Padres da Igreja [Séculos I – IV]”. São Paulo: Loyola, 2000, vol. 1, p. 167

Ler 8128 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Itens relacionados (por marcador)

  • Propósito e Significado de "Ego Eimi"

    Apesar das evidências da Deidade do Senhor Jesus Cristo serem numerosas neste livro, um conjunto destas evidências tem sempre fascinado os teólogos. Jesus atribui a frase específica ego eimi a Si mesmo frequentemente no Evangelho de João, e um número de vezes ele assim faz de forma tão fértil, não provendo qualquer predicado imediatamente identificável. O registro de João destas palavras também é significante, já que ele provê colocações bastante óbvias para estas palavras, enfatizando sua importância. Há alguma importância nesta frase? Qual é seu propósito e significado? Esta frase apresenta ainda outro aspecto da Deidade de Cristo? Este será o tema da seguinte investigação.

  • Significado e tradução de João 1:1

    Esta folha de informações está dividida em duas seções - a primeira explora o significado de João 1:1, e a segunda trata de um assunto mais técnico sobre a correta tradução do versículo. A segunda porção interessará àqueles que se depararam com a Tradução do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová que está traduzindo a última cláusula deste verso como "a Palavra era um deus".

  • João 1.1: Gramática ou Interpretação?

    Muitas pessoas já passaram pela dificuldade de se entender um texto bíblico traduzido, entretanto, muitas delas não sabem como pode ser difícil fazer o mesmo lendo no idioma original. É por isso que para ser um tradutor das escrituras exige-se que se tenha um grande conhecimento da língua que se propõe a traduzir, para que pessoas das mais diferentes classes possam ler a aproveitar o texto que leem.

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários