• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

O Concílio de Ferrara-Florença (1438–1445)

Escrito por  Phillip Schaff
florenca01

O concílio de Ferrara testemunhou a submissão dos Gregos à sé Romana. Ele não tentou entrar no tema das reformas eclesiásticas, e assim disputar com o sínodo em Basiléia. Depois de dezesseis sessões mantidas em Ferrara, Eugênio transferiu o concílio em fevereiro de 1439 para Florença. A razão dada foi as condições insalubres em Ferrara, mas os reais motivos eram as ofertas dos florentinos a ajudar Eugênio em manter seus convidados do Leste e, se afastando do litoral, para diminuir as chances dos Gregos voltarem para casa antes da conclusão da união. Em 1442 o concílio foi transferido para Roma, onde manteve duas sessões no Laterano. As sessões em Ferrara, Florença e Roma são listadas com as primeiras vinte e cinto sessões do concílio de Basiléia, e juntos eles são contados como o décimo sétimo concílio ecumênico.339

O cisma entre o Leste e o Oeste, datado da metade do século nove, enquanto Nicolau I e Fócio eram patriarcas respectivamente de Roma e Constantinopla, foi ampliado pelas cruzadas e a conquista de Constantinopla em 1204. O interesse em uma reunião dos dois ramos da Igreja foi demonstrado pela discussão em Bari em 1098, quando Anselmo foi apontado para demonstrar as diferenças com Gregos, e pelos tratamentos de Tomás de Aquino e outros teólogos. A única tentativa notável de reunião foi feita no segundo concílio de Lion, em 1274, quando uma delegação do Leste aceitou artigos de acordo que, contudo, foram rejeitados pelas igrejas do Leste. Em 1369, o imperador João visitou Roma e repudiou o cisma, mas sua ação encontrou resposta desfavorável em Constantinopla. Uma delegação apareceu em Constança, em 1418, enviada por Manuel Paleólogo e o patriarca de Constantinopla340 e em 1422, Martinho V despachou o franciscano Antonio Massano para o Bósforo, com nove artigos como base da união. Estes artigos levaram às negociações conduzidas em Ferrara.

Nem Eugênio nem os gregos merecem qualquer crédito pela parte que tiveram na conferência. Os gregos foram movidos completamente por um desejo de obter ajuda do Oeste contra o avanço dos turcos, e não por zelo religioso. No que diz respeito aos latinos, eles tiveram que arcar com todas as despesas dos gregos em sua ida à Itália, na Itália e na sua volta, bem como o príncipe, da conferência. Os historiadores católicos tem pouco entusiasmo em descrever as façanhas vazias de Eugênio341.

A delegação grega era grande e inspiradora, e incluia o imperador e o patriarca de Constantinopla. Em barcos venezianos alugados pelo papa, o imperador João VI, Paleólogo alcançou Veneza em Fevereiro de 1438342. Foi concedido a ele uma brilhante recepção, mas é justo supor que o prazer que ele pode ter sentido com as festividades não estava livre do ressentimento, quando ele lembrou o saque e pilhagem de sua capital, em 1024, pelos ancestrais de seus anfitriões. João alcançou Ferrara em 6 de Março. A delegação grega foi composta de 700 pessoas. Eugênio chegou em 27 de Janeiro. Em sua bula, lida no sínodo, ele chamou o imperador de seu mais amado filho, e o patriarca seu mais piedoso irmão343. Em um tratamento público entregue pelo Cardeal Cesarini, as diferenças dividindo as duas comunhões foram anunciadas como 4, o modo de processão do Espírito Santo, o uso do pão não levedado na Eucaristia, a doutrina do purgatório e a primazia papal. As discussões exibiram um espetáculo mortificante de recortes e retalhos. Eles não demonstraram nenhum zelo puro pelos interesses da humanidade. Os gregos interviram com toda forma de tática retardatória enquanto eles viviam da hospitalidade de seus anfitriões. Os latinos estavam inclinados a afirmar a supremacia do bispo de Roma. Os orientais, movidos pelas considerações da política mundial, pensavam apenas na proteção de seu enfraquecido império.

Entre os mais proeminentes gregos presentes estavam Bessarião, bispo de Nicéia, Isidoro, arcebispo da Kiev russa, e Marcos Eugênico, arcebispo de Éfeso. Bessarião e Isidoro ficaram no Oeste depois da suspensão do concílio, e foram recompensados por Eugênio com o chapéu vermelho. O arcebispo de Éfeso tem nossa admiração por recusar se curvar servilmente ao papa e juntar-se a seus colegas em aceitar os artigos da união. Os líderes entre os latinos eram os cardeais Cesarini e Albergati, e o espanhol Turrecremata, que também recebeu o chapéu vermelho depois da suspensão do concílio.

As primeiras negociações foram a respeito de questões de etiqueta. Eugênio deu uma audiência privada ao patriarca, mas desistiu da cerimônia de ter seus pés beijados. Uma importante questão era o assento apropriado da delegação, e o imperador grego viu que medidas precisas foram tomadas para os assentos separados para os gregos, para que eles não tivessem posições de menor honra que os latinos344. A promessa do papa de dar suporte a seus convidados foi providenciada por uma doação mensal de trinta florins ao imperador, vinte e cinco para o patriarca, quatro para cada um dos prelados e três para os outros visitantes. Que possível respeito poderiam os mais iluminados latinos ter por eclesiásticos e um imperador que, enquanto engajaram na missão de reunir a Igreja, estavam desejosos de ser os pensionistas do papa, e viver de sua doação!

A primeira sessão comum não foi feita até 8 de outubro de 1438. Maior parte dela foi tomada por um longo discurso de Bessarião, assim como o tempo da segunda sessão foi tomado por um ainda mais longo discurso feito por outro grego. O imperador fez sua parte em promover o atraso ao gastar maior parte de seu tempo caçando. No início os gregos insistiram que não poderia haver adição ao credo original. Várias e várias vezes eles estavam a ponto de se retirar, mas foram dissuadidos a fazer isto pelo medo dos turcos e pelas carteiras vazias345. Uma comissão de vinte, dez gregos e dez latinos, foi apontada para conduzir a discussão preliminar nas questões de divergência.

Os gregos aceitaram a adição feita ao credo de Constantinopla pelo sínodo de Toledo em 589, declarando que o Espírito procede do Pai e do Filho, mas com a estipulação de que eles não eram obrigados a introduzir a cláusula filioque quando eles usassem o credo. Eles justificaram seu curso com base no fato que eles entendiam que os latinos mantinham a processão do Pai e do Filho como de dois princípios. O artigo de concordância lia: "O Espírito procede do Pai e do Filho eternamente e substancialmente como se fosse de uma fonte e causa"346.

Sobre o tema do purgatório, foi decidido que imediatamente na morte o abençoado passa para a visão beatífica, uma visão que os gregos rejeitaram. Almas no purgatório são purificadas pela dor e podem ser ajudadas pelos sufrágios dos vivos. Pela insistência dos gregos, o fogo material como um elemento de purificação foi deixado de lado.

O uso de pão levedado foi concedido aos gregos.

Sobre o tema da eucaristia, os gregos, que segundo as palavras, "este é meu corpo", fizeram uma petição para que o Espírito possa transformar o pão no corpo de Cristo, concordando com a visão de que a transubstanciação ocorre no uso das palavras do sacerdote, mas estipularam que a confissão não fosse incorporada nos artigos escritos.

A primazia do bispo de Roma ofereceu a dificuldade mais séria. O artigo de união o define como "tendo uma primazia sobre todo o mundo, ele mesmo sendo o sucessor de Pedro, e o verdadeiro vicário de Cristo, a cabeça de toda a Igreja, o pai e professor de todos os cristãos, a quem, em Pedro, Cristo deu autoridade para alimentar, governar e reger a Igreja universal"347. Esta concessão destacável foi modificada por uma cláusula no documento original, lendo-se, "de acordo com o que é definido pelas atas dos concílios ecumênicos e pelos cânones sagrados"348. Os latinos depois mudaram a cláusula para ler, "exatamente como é definido pelos concílios ecumênicos e cânones sagrados". A falsificação latina fez os concílios ecumênicos anteriores de testemunhas da primazia do pontífice romano.

Os artigos de união foram incorporados em um decreto349 começando Laetentur coeli et exultat terra, "Que os céus jubilem e a terra se contente". Ele declarou que a parede divisória entre as igrejas ocidentais e orientais foi derrubada pela pedra de esquina, Cristo. A negra escuridão do longo cisma pereceu diante da luz concórdia. A Mãe Igreja jubilou de ver seus filhos divididos reunidos nos laços de paz e amor. A união se deve à graça do Espírito Santo. Os artigos foram assinados em 5 de Julho por 115 latinos e 33 gregos, dos quais 18 eram metropolitanos. Arcebispo Marcos de Éfeso foi o único dos orientais que se recusou a assinar. O patriarca de Constantinopla havia morrido um mês antes, mas escreveu aprovando a união. Seu corpo jaz em S. Maria Novella, Florença. Seus restos e o manuscrito original dos artigos, que estão preservados na livraria Laurenciana em Florença, são as únicas relíquias deixadas da união.

Em 6 de julho de 1439, os artigos foram lidos publicamente na catedral de Florença, o texto grego por Bessarião e o latino por Cesarini. O papa estava presente e celebrou a missa. Os latinos cantaram hinos em latim e os gregos os seguiram com seus próprios hinos. Eugênio prometeu para a defesa de Constantinopla uma guarnição de trezentos e dois navios e se necessário, a ajuda armada da cristandade ocidental. Depois de demorar um mês para receber os cinco meses de dívidas de seu salário, o imperador retornou por Veneza para a sua capital, de onde se ausentara por dois anos.

A concordância de Ferrara provou ser uma estrutura de papel, e todas as paradas e alegrias na conclusão dos precedimentos se tornaram ridículos pela completa rejeição de seus artigos em Constantinopla.

Em seu retorno, os delegados foram vaiados como azimitas, o nome dado em desprezo aos latinos por usar pão não levedado na eucaristia. Isidoro, depois de fazer um anúncio da união, foi preso e colocado em um convento, de onde escapou dois anos depois para Roma. Os patriarcas de Jerusalém, Antioquia e Alexandria enviaram uma carta de Jerusalém em 1443, denunciando o sínodo de Florença como um sínodo de ladrões e Metrofanos, o patriarca bizantino como um matricida e herético.

É verdade que os artigos foram publicados em Santa Sofia, em 14 de dezembro de por um cardeal latino, mas seis meses depois, Constantinopla estava nas mãos dos maometitas. Um concílio grego, encontrando-se em Constantinopla em 1472, formalmente rejeitou a união.

Por outro lado, o sucesso da política romana foi anunciada através da Europa ocidental. A posição de Eugênio foi fortalecida pelo triunfo vazio, e na mesma proporção a influência do sínodo de Basiléia diminuiu. Se relações cordiais entre as igrejas do Leste e Oeste não fossem promovidos em Ferrara e Florença, uma influência beneficente floresceria do concílio em outra direção pela difusão da erudição grega e cartas no oeste.

Delegações também dos armênios e jacobitas apareceram em Florença respectivamente em 1439 e 1442. Os cóptas e etíopes também enviaram delegações, e parecia que havia chegado o tempo para a reunião de todas as partes desviadas da cristandade350. Uma união com os armênios, anunciada em 22 de novembro de 1439, declarou que a delegação oriental aceitou a processão do Espírito Santo vindo do Filho e o Concílio de Calcedônia, dando Cristo duas naturezas e por implicação duas vontades. Os unionitas armênios terminaram sendo decisivos à união. O catholicos armênio, Gregório IX, que tentou reforçar a união, foi deposto, e os turcos em 1461, estabeleceram um patriarca armênio, com a cadeira em Constantinopla. A união dos jacobitas, proclamada em 1442, foi universalmente recusada no Leste. As tentativas de conciliar os coptas e etíopes foram fúteis. Eugênio enviou encarregados para o Leste para informar os Maronitas e os Nestorianos dos esforços na reunião. Os nestorianos da ilha de Chipre se submeteram a Roma, e um século depois, durante as sessões do Quinto Laterano em 1516, os maronitas foram recebidos na comunhão romana.

Em 7 de agosto de 1445, Eugênio transferiu o longo concílio que iniciou-se em Basiléia, continuou em Ferrara e Florença e o concluiu no Laterano.

Fonte: http://www.ccel.org/s/schaff/history/6_ch02.htm

Notas

339. Hefele-Knöpfler, Kirchengesch., p. 477.

340. Richental, Chronik, p. 113, tem uma nota sobre sua chegada.

341. Assim Hefele-Knöpfler, Kirchengesch., p. 476; Hergenröther-Kirsch, II. 949; Funk, Kirchengesch., p. 377. Pastor, II. 307, diz, "Die politische Nothlage brachte endlich die Griechen zum Nachgeben."

342. Um relato da chegada e diversão do imperador em Veneza é dado em Mansi, XXXI. 463 sqq.

343.Dilectissimus filius noster Romaeorum imperator Cum piissimmo fratre nostro, Josepho Const. patriarcha, Mansi, XXXI. 481.

344. Assim Syrophulos. Veja Hefele Conciliengesch., VII. 672.

345. Hergenröther-Kirsch, II. 949, estressa sobre a prontidão dos gregos em aceitar almas.

346.Aeternaliter et substantialiter tanquam ab uno principio et causa. A declaração ex patre et filio e ex patre per filium foram declaradas idênticas em significado.

347.Diffinimus sanctam apostol. sedem et Romanam pontificem in universum orbem tenere primatum et ipsum pontificem Romanum successorem esse B. Petri principis apostolorum, et verum Christi vicarium, totiusque ecclesiae caput, et omnium Christianorum patrem et doctorem existere, etc. Mansi, XXXI. 1697.

348.Quemadmodum et in gestis oecumenicorum conciliorum et in sacris canonibus continetur. The change placed an etiam in the place of the first et, so that the clause ran quemadmodum etiam in gestis, etc. Veja Döllinger-Friedrich, D. Papstthum, páginas 170, 470 sq. Döllinger diz que na edição romana de 1626 o concílio de Ferrara foi chamado de oitavo ecumênico.

349. O documento, juntamente com as assinaturas, é fornecido em Mansi, páginas 1028-1036, 1695-1701. Hefele-Knöpfler, Conciliengesch., VII. 742-753, o considerou de tal importância por dar aos gregos e latinos os originais completos, e também uma tradução alemã.

350. Veja Mansi, XXXI. 1047 sqq.; Hefele-Knöpfler, VII. 788 sqq. O único encontro desde o que aconteceu entre os eclesiásticos gregos e ocidentais de notoriedade pública foi na Conferência de Bonn em 1875, na qual Döllinger e os Velhos-Católicos tomaram a parte mais proeminente. Dr. Philip Schaff e vários teólogos anglicanos também participaram. Veja Creeds of Christendom, I. 545-554, e Life of Philip Schaff, páginas 277-280.

Ler 17037 vezes
Avalie este item
(1 Votar)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários